domingo, 15 de novembro de 2015

Mais que um namorado

Curioso é o fato de que a gente tenha namorado uma semana - dois dias, perdão.

UmAnODoisQtres

Ame sufoque reclame abate ama o próximo fóssimo interino aceita o peito da virgem calada que abre aspernaseestupra a manhã.
Entenda que o dia do dia no dia amanhã é o dia que há de existir.
Assopre o medo em tudo o receio o vento o pó deslize-o só.
Nunca em tudo permita aquele o vento o pó entenda que o dia.
Exista você. Com e para somente e so la me n t e interinamente,
você.







Você,

terça-feira, 10 de novembro de 2015

As intermitências da Morte

Imaginar é o dom de quem conseguiu um dia pensar no irreal paraíso das letras do alfabeto e talvez mergulhou deveras num mundo onde quem tem o que tem quer o que não será Amanhã temos um tempo eu preciso de um tempo para mim Nós E nunca entender vou aquilo aquele Texto escuro amargurado que me emprestou um sorriso amarelo mas verdadeiro ,Nem sempre o amarelo do sorriso não é verdadeiro O amarelo no reino das cores é o único que pode ser aberto e ampliado para todos um glasnost apolítico
E se a morte parasse de ceifar? Teriam os suicidas o tiro do revólver como agonia momentânea e a permanência como danação eternaterrena? Teriam as funerárias um espaço enfim de crise?
Teriam os corações o descanso eterno?
Imaginei que minha despedida fosse mais longe e pessoal. Achei que afagasse bem mais pessoas. Mas não. Me despeço de mãe, pai, irmão e a tia, alguns alguéns que fizeram alguma fumaça no trem descarrilhante dos dezesse(te)is anos. Avisem para ela que não existe culpa nem saudade: estive aqui para todos, sempre.

Sabe

Eu lembro quando o medo era algo que fazia as coisas se mexerem. Quando respirar era algo tão conflituoso quanto escrever uma palavra de ódio. Hoje, eu vi que não era pra tanto. Tentar ficar amigos sem rancor. A emoção acabou e que coincidência é o amor. A nossa música nunca mais tocou.
Destilemos terceiras (até 24°) intenções e esqueci que você nasceu.
Perdi o que eu mais precisei em toda a minha estadia ridícula em um ambiente inóspito repugnante,
e quando notei, a corrente já queimava na pele de todos eles.
A corrente só queima uma vez - A deusa disse.
Aprendi a lidar com adeuses. a deuses. ateu diz. a teu dizer.
eu te amo pra sempre
e um dia
serei eu.

domingo, 1 de novembro de 2015

Eu conheci sua amante

Ela era linda. Me assustei com os cachos castanhos escarlates que caíam secos como cálidas coroas nas clavículas claras. Ela estava saindo de casa, trancando a porta. Quando me viu, sorriu. Me reconheceu, presumo. Disse que estava de saída, mas me chamou para tomar um café.
Ela me contou bastante sobre você. Disse que gosta de ler no escuro do fim de tarde. Disse que sabe decorado o apocalipse, como Olavo Bilac sabe a forma. Me contou seus sonhos, seus desejos. Suas intimidades. Assumo que não imaginava ser um encontro tão informal à esse ponto.
Quando terminamos, ela me disse que tinha que ir. Arrumou os cachos e me deu um livro esmeralda, com uma capa feita de palavras que formavam uma imagem. "Dois garotos se beijando". De dois garotos se beijando.
No dia que você nasceu, os lençóis que te cobriram eram esmeralda. Eu lembro porque meu sangue ainda inundava sua testa, e você chorava como se eu não estivesse ali.
Eu estou aqui. Por você. Pra você. Vocês.